Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
As crianças não gostam da escola porque a escola não gosta das crianças
... Ainda! Porque a escola ainda (!) não gosta das crianças!

As crianças trabalham das 8 às 8.

Muitas delas passam até 55 horas por semana na escola.

Têm tempo demais de actividades extra-curriculares.

Têm recreios de menos.

Ainda são, muitas vezes, castigadas ficando sem recreio, dias a fio. Ou, de castigo, são obrigadas a ir para a biblioteca (não constando que essa medida tenha o patrocínio do plano nacional de leitura).

Não brincam 2 horas todos os dias como deviam.

Vivem num stress permanente - por causa do estilo de vida que têm e das exigências que colocamos sobre elas - que não é amigo nem da atenção nem da aprendizagem.

São divididas por turmas de forma pouco aleatória, por vezes, batoteira, e em vez da escola ser inclusiva, como devia, vivem em turmas que separam “os bons” dos “maus”, dando a uns e a outros colegas e professores distintos.

Vivem as diversas disciplinas como se umas fossem “de primeira” e outras “de segunda”. De acordo, aliás, com o que escutam na escola e com os pais. 

Ninguém lhes diz que enquanto não descobrirem as suas próprias necessidades educativas especiais lhes faltará quase tudo para descobrirem aquilo que sabem.

Têm explicações e ateliers de tempos livres demais e família e mundo de menos.

Vivem espartilhadas em quadros de honra e quadros de excelência demais e por rankings que, orgulhando-se pelo rigor numérico que exibem, são, muitas vezes, formas desonestas e falsificadas de publicidade enganosa. 

Não são tão ajudadas a descobrir, a estudar, a comunicar e a criar como deviam. Antes são, ainda,  incentivadas a repetir e a copiar. E a entrar, demais, numa resignação do tipo “marra, vomita e esquece”.

Ainda são castigadas por serem “cabeças no ar” e raramente há quem se alarme que elas aprendam “de olhos no chão”.

Aprendem a olhar para as costas umas das outras ou olhando-se pelo canto do olho como se se distraíssem sempre que aprendem a olharem-se nos olhos umas das outras. 

Vivem, regra geral, numa lufa-lufa escola/trabalho trabalho/escola sem se dividirem por outros compromissos - familiares, sociais, lúdicos, cívicos e etc. - como se a vida não nos obrigasse a repartir por muitos desafios, ao mesmo tempo, que se aprendem a gerir por ensaio e erro. 

Habitualmente, o tempo que dispendem com a escola não corresponde aquilo que, intuitivamente, sentimos que elas deviam saber.

São convidadas a escolher aos 14 uma área de estudo e uma profissão onde sejam, garantidamente, felizes nos próximos 55 anos. E, de preferência, independentemente da sua singularidade, do seu mundo, da sua educação e do seu carácter - ganhem muito dinheiro muito depressa.

E, no entanto, as crianças  gostam de ir para a escola. Mais por causa dos recreios e dos amigos que das aulas, é certo. 

É estranho precisarmos de falar duma escola amiga das crianças. Porque escola que é escola não devia ser outra coisa senão amiga para as crianças.

Talvez as crianças não gostem da escola porque a escola (ainda!) não gosta das crianças.

subscreva