Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
Dê tempo ao tempo das crianças
Os números são assustadores

As crianças portuguesas do primeiro ciclo do ensino básico passam, ao todo, mais 1.200 horas em aulas que a média das crianças da União Europeia. E mais 1.000 horas se compararmos as crianças que frequentam o segundo ciclo. Considerando as 5.460 horas que passam nas aulas, durante o primeiro ciclo do ensino básico, e as 8.214 horas de aulas que têm a mais no segundo ciclo, só cerca de 4.000 e 6.000 horas, respectivamente, são gastas, de facto, para ensinar. E considerando as crianças entre os 6 e os 10 anos de idade, o tempo que passam a mais, ao longo de 4 anos, na sala de aula, permitiria que elas tivessem quase mais 10 horas, por semana, durante esse tempo, para brincar. Ou seja, 2 horas por dia. Se o tempo de aulas fosse, todo ele, usado para ensinar, as crianças dos 6 aos 10 ganhariam mais 11 horas por semana para brincar. Isto é, um pouco mais de 2 horas por dia. Em resumo, se as crianças portuguesas entre os 6 e os 10 anos estivessem tanto tempo nas aulas como as crianças da União Europeia e esse tempo fosse, todo ele, usado para dar aulas, teriam mais 4 horas, por dia, para brincar. Se considerarmos as 2.200 horas de aulas a mais que têm nos primeiros 6 anos de escolaridade que a média das crianças da União Europeia, os nossos filhos "perdem", nos primeiros 6 anos de escola, 91 dias de infância. 3 meses, portanto. Têm alguns outros ganhos, claro. E não é sempre "linear" que ter escola e perder infância seja, sempre, uma ligação prudente. No entanto, se aproveitarmos estes números como uma forma de nos interpelarmos, não será exagerado afirmar-se que menos tempo de aulas e melhor gestão pedagógica daria mais sabedoria aos nossos filhos. E menos "défices de atenção". E menos perturbações de comportamento na sala de aula. E mais inteligência. E melhores aprendizagens. E mais felicidade. E mais infância. Por tudo isto, devolva-se às crianças o tempo que a escola lhes "roubou". Dê-se tempo ao tempo das crianças!

subscreva