Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
Porque é que as crianças inteligentes têm imensas dificuldades para serem “marronas”?
Porque aprenderem a conhecer é aprenderem a pensar. Logo, "amarrarem" conhecimentos e torná-los seus não é, seguramente, a mesma coisa

Porque gostam tanto de ser intuitivas quando aprendem que quando se trata de serem, simplesmente, mecânicas e repetitivas nada tem sentido para elas.
Porque vão da leitura lógica à abstracção com tanta rapidez - “apanhando” aquilo que se liga a tudo o que já conhecem - que, quando se trata de “colar” conhecimentos sem lhes dar um sentido, ficam um bocadinho “burras”.
Porque sabem, de tal forma, que só quando se está de "cabeça no ar" é que se consegue ser atento que, fazerem um esforço para estarem atentos, é aprenderem sem se aprender. E meio caminho andado para terem uma parte si a "puxar pela cabeça" e outra parte a aceitar estar-se preso, sem pensar.
Porque sabem tão bem que aprender é tudo o que liga e re-liga, que "marrar" é estar desligado de tudo o que se aprende. "Marrar" é evitar compreender. É ir contra aquilo que se aprende em vez de tornar isso parte de si.
Porque estão tão habituadas a compreender antes de aprender que aprenderem sem compreender é meio caminho para não recordarem.
Porque como nunca se aprende à margem da dúvida, e como "marrar" é aprender a só dizer que "sim", para elas, conhecer sem o "não" é desconhecer. É perder a oportunidade de ir mais longe.
Porque elas sabem tão bem que a primeira função da memória é promover o esquecimento, e guardar somente tudo o que se liga com tudo, que percebem que a diferença entre "marrar" e aprender é exactamente a mesma distância que vai entre ser-se "sabido" e ser-se sábio.

Porque, finalmente, para elas aprenderem a conhecer é aprenderem a pensar. Logo, "amarrarem" conhecimentos e torná-los seus não é a mesma coisa. Aliás, é a mesma diferença que fica entre ficar preso (quando se repete) e ser-se livre (só porque se pensa). O que, convenhamos, não é a mesma coisa.

Porque é que as crianças inteligentes têm imensas dificuldades para serem "marronas"? Porque são inteligentes, claro.

subscreva