Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
Amanhã seremos mais capazes de ser felizes
Seria expectável que, no meio de tantas dores com que vivemos, todos os dias, tantos constrangimentos nos tivessem feito desmoronar

Como é que não havemos de querer expulsar a dor da nossa vida se ela nos dói? Portanto, é compreensível que haja um "ideal anti-depressivo" em todos nós. Uma espécie de "pensamento sem dor". E, até, que haja quem o venda e se aproveite dele. É claro que um ideal anti-depressivo está para o mundo mental como o populismo e a demagogia estão para a política: falar verdade por meias-verdades não nos torna mais felizes. Antes nos engana com "a verdade". Mas sempre nos dá a ilusão de que a felicidade é uma bem-aventurança onde se chega sem que haja, sequer, a necessidade de pensar.

É estranho que, sendo nós tão inacreditavelmente capazes de pensar, fujamos de o fazer; a vida toda. E só "acabemos" a pensar quando, finalmente, já não temos mais alternativas de evitar o pensamento. Aquilo que parece é que fugimos de pensar porque nós próprios, "à primeira vista", lidamos melhor com "meias-verdades" do que com a verdade. Talvez porque à verdade associemos uma parcela de dor. Reconhecermos que não estivemos tão bem como devíamos, num dado momento, dói um bocadinho. Assumirmos, a propósito de um objectivo, que entre aquilo que sonhámos e os resultados que atingimos há uma diferença grande, dói outro bocadinho. Ou que há pequenas cobardias que nos entaramelam, nos engasgam e nos calam, quando devíamos ter sido capazes de projectar a voz, dói mais um pouco, ainda. Logo, fugir das pequenas dores é humano. Por mais que, ao fugirmos delas, se criem meias-verdades. É verdade que faltar à verdade não é, "tecnicamente", mentir. Mas a questão que se coloca, a seguir, é se poderemos ser felizes com meias-verdades. E talvez seja aí que a nossa relação com a dor e com a verdade logo se compliquem.

É claro que, quando estamos felizes, perdura a ilusão de a dor ser uma "necessidade" que não serve para... nada. Compreende-se; a felicidade é uma vitória sobre a dor. Mas já não é verdade que uma pílula que "anestesie" a dor ("da alma") e torne as "vitórias" sobre ela mais rápidas e mais fáceis acabe com a tristeza e, só por isso, nos torne felizes. Anestesiar as pequenas dores, tentando chegar à felicidade sem pensar, não só não nos torna mais felizes como as transforma numa bola de neve de pequenas dores que nos coage, um dia atrás do outro, a não pensar. Logo, chegar à felicidade sintética com um anti-depressivo é uma forma de passar a vida a evitar a dor; acumulá-la mais e mais, de tanto a evitar; e, à conta disso, ficar mais deprimido do que quando se começou. Seria irónico se não fosse trágico; mas aquilo que se vende como “a arma” contra a dor mental arrisca-se a ser quem mais a acaba a "estimular". Um mundo de "felicidade sintética" pode parecer um mundo desempoeirado, expedito e sagaz. Mas, como todas as "espertezas saloias", sairá a ganhar se perceber que o contrário duma "psicologia positiva" não será uma psicologia negativa. Mas uma psicologia que traz verdade ao pó de arroz. Que nos mostra que sermos felizes e termos lágrimas não nos torna um subproduto, parado no tempo, da natureza humana.


Por outras palavras, se a dor magoa e, por vezes, quando se impõe demais em nós, nos impede de pensar, sermos felizes não é um lugar a que se chegue à margem da necessidade de pensar. Quem disse que a felicidade é coração está, portanto, enganado. A felicidade é um lugar onde se chega também com lágrimas. E só depois de muito se pensar.

Vem isto tudo a propósito da pandemia e da forma como ela se impôs nas nossas vidas, nos trouxe sofrimento, nos limitou as liberdades e nos impingiu distância e confinamento. Seria expectável que, no meio das dores que resultam das meias-verdades com que vivemos, todos os dias, tantos constrangimentos nos tivessem feito desmoronar de dor. E, no entanto - apesar dos mortos que se sucedem; apesar de vivermos numa certa "paranóia prudente" e em liberdade condicional; de trabalharmos no mesmo sítio onde dormirmos; dos nossos filhos terem tido na escola um lugar onde se cresce e que os expunha ao perigo; de muitos dos nossos "mais velhos" viverem numa "bolsa de resistência" que parece resistir a tudo e até à solidão; e de a economia parecer oscilar entre o colapso e a recuperação - quando somos obrigados a pensar ficamos mais fortes. Enfrentamos os perigos. Somos solidários. Reconhecemos as nossas fraquezas. Unimo-nos. E resolvemos. É claro que não sairemos da pandemia mais felizes. Mas sairemos mais capazes de pensar. Logo, mais fortes. Por isso, mais capazes de fugir às pequenas dores e às meias-verdades. E, por isso, sairemos mais competentes para sermos mais felizes.

Reconheço que falar do futuro pode pode parecer uma forma ousada de colocar pensamento positivo na catástrofe que estamos a viver. Mas não é! Será, antes uma forma de constatar que sempre que transformamos a dor em factores de crescimento, com a ajuda de quem nos encaminhe para pensar, ficamos mais fortes. E, se é assim, será estranho (e inadmissível...) que, quando isto passar, voltemos às meia-verdades com que fugimos às pequenas dores. E que, à custa do já clássico: "eu queria (ou: "eu gostava de") ser feliz", voltemos a deixar o nosso pensamento como um exercício que oscila entre o pretérito (imperfeito) e o condicional. E, à custa das dores que evitamos, voltemos a criar dores maiores. Voltemos a não pensar. Voltemos a um mundo anti-depressivo de felicidades sintéticas. E voltemos a ser infelizes. "Devagarinho".

subscreva