Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
Livro de reclamações das crianças
Em cada zanga mora um abraço

"A minha mãe tem uma mania! às vezes, manda-me para o quarto, de castigo. e ela fica do lado de fora"
Diana, 5 anos

Já viste como seria se, de cada vez que são injustos, os pais pudessem ir - eles, também - para o castigo? Ou - se fosse possível - como talvez não fosse fácil mandá-los para o quarto pensar nas asneiras que eles próprios fizeram? Imagino que me digas: “Pois é... Havia dias que não saíam do quarto...”. E eu até acredito que sim. Mas os pais precisam tanto de fazer asneiras para aprenderem a ser bons pais como todas as crianças precisam dos enganos e dos erros para descobrirem. Às vezes, é verdade (parece-me que os teus pais talvez não sejam muito diferentes dos outros pais...), os pais lidam muito mal com os seus erros. Páram pouco para pensar nas “asneiras” que fazem (é mais isso...). Claro que não quer dizer que sempre que eles castigam estejam enganados. Às vezes, castigam depois de avisar muitas vezes e de ameaçar muitas mais. Talvez seja por isso que quando, finalmente, se zangam todos os pais exagerem e, feitas as contas, acabem por ser sempre um bocadinhos injustos. E, até, desproporcionados quando “escolhem” as coisas com que se zangam. (Às vezes, não é bem uma escolha. É um “não poder mais”...) É claro que fechar-te no quarto, de castigo, talvez não tenha sido uma boa ideia. Isso não quer dizer que, ao ficar do lado de fora, a tua mãe tenha ficado indiferente ao castigo que te aplicou. Muitas vezes, os castigos doem mais aos pais. Ou, pelo menos, não deixam de doer. Basta que vejas como, logo a seguir, eles ficam “bonzinhos” e, até, mais atenciosos. Seja como for, os pais castigam porque entendem que essa é uma forma de nunca desistirem de de tornares melhor. Isto é, de não te afastares do melhor de ti sem deixares de cumprir com aquilo que eles sentem que é o melhor que lhes deves dar. Não é fácil, acredita! Mas à custa de todos irem errando, chega-se lá...

subscreva