Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
Para que é que servem as crianças?
...

Para que é que servem as crianças? Para voltarmos a conjugar o amor começando pela palavra confiar. Para descobrimos tudo o que, estando debaixo dos nossos olhos, nos falta descobrir. Para voltarmos a sorrir. E para fazermos disso o lado soalheiro de todos os dias. Para olharmos nos olhos. Bem lá para o fundo. Sem tempo e sem pressa. Até ao umbigo da alma.

Para que é que servem as crianças? Para lhes trazermos histórias, historietas, cantigas de embalar e cantilenas perdidas. E saltitarmos até ao passado. Para ir buscar todos aqueles que nos fizerem sentir o melhor do seu mundo. E dividirmos com elas o melhor de quem nos amou. Para apanharmos os maus. E espantarmos os feios. E caçarmos, um a um, os pesadelos. E guardarmos o sono. E dormirmos descansados no descanso com que os aconchegamos, junto a nós. Para fazer com que o “faz de conta” volte a ser mais importante. E só isso nos faça voltar a ver o mundo até aos intestinos. E só isso nos dê olhos de ver. E razões, de sobra, para nos encantar. Para nos voltarmos a sentir pequeninos. E indefesos. E, só assim, para voltarmos a ter dúvidas e aprender.

Para que é que servem as crianças? Para darmos colo. E darmos mimo. E darmos corda às lamúrias. E para podermos ser patetas. E descobrir que, afinal, ainda sabemos rir. Para darmos a mão. E sentirmos que nela se guardam todos os super-heróis com todos os super-poderes que há no mundo. Para reabilitarmos o fazer beicinho. E o “dá-me colo!”. E a arte de fazer lamúrias. E o engenho de malandrar. E o amor. Claro.

Para que é que servem as crianças? Para percebermos que uma criança nos faz descobrir que somos crianças até não desistirmos de crescer.

 

Artigo publicado originalmente em 

subscreva