Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
Uma família
a vida em estado de sítio: 39

Uma família, independentemente de todas as constipações que ela nos traga, é uma reserva natural contra todos os perigos. E mesmo quando estamos atormentados e com medo de tudo aquilo que nos tem acontecido, serve para nos sentirmos acompanhados por dentro, adivinhados quando nos sentimos misteriosos e arrebatados sempre que estamos sonolentos. E ensina-nos que perdoar é esquecer sem dar por isso. Mesmo quando, no meio de uma pandemia, somos tolos e “inflamáveis. E ora parecemos discretos e adequados como viramos uma sala toda do avesso. Nas famílias de verdade cabe a educadora que nos contava histórias quando íamos ao jardim de infância e a professora que nos ralhava sempre que mordíamos a língua para pensar, antes do confinamento.  E o senhor da padaria, que nos sorria, de manhã, e nos dava uma bolacha (e nos fazia sentir únicos e especiais) como muitos dos nossos tios nunca o fizeram. E o Pai Natal e Deus, sempre que ficávamos, noite fora, à calhandrice com eles, falando de vírus e da morte que anda intrometida por aí, e nos assusta. Uma família é uma barafunda. Antes e depois da nossa sala ser o reboliço em que, hoje, ela se tornou. Uma família é amiga da verdade. E puxa os sentimentos, de supetão, do fundo da alma para a superfície da pele. E desabotoa a fantasia. E é dedicada com o colo. E afeiçoa-se ao brincar. E à esperança, é claro. E a tudo o mais que quem fala dos valores da família nunca nos disse. Na verdade, a ideia de família tem sido tão enxovalhada que já não sei se gosto dela. Do que gostava – mesmo! – é que a família fosse, simplesmente, o sindicato da bondade. Mas não sei se conseguirei explicar que, só se for assim, será família. E será feliz. Mas sei - isso sim, eu sei - que depois de tudo aquilo que, entretanto, descobrimos dela uma família nunca será um lugar de quarentenas para o nosso coração. Mas, ao contrário, o sítio a partir do qual todos os perigos ficam assustados. Uma família, para ser uma família, é uma “pandemia” de bondade. 

subscreva