Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
Voltar a abraçar
Quem, de entre nós, podia imaginar que abraçar se tornaria perigoso?

Quem, de entre nós, podia imaginar que abraçar se tornaria perigoso? E, mesmo, "proibido"? E "interdito", até? E quem, de entre nós, podia estar, dantes, tão certo que descobriria - agora, como nunca, dantes, terá acontecido - que abraçar é indispensável para que se trate a vida por "tu" e para nos embevecermos com ela e a namorarmos? E que isso de nos aconchegarmos no corpo de alguém e de nos aninharmos nos seus braços é receber colo. E dar colo. Por mais que isso se chame … abraçar? (É colo; vejam bem!) Ao contrário das árvores, que morrem de pé, nós vivemos de pé. Olhamos de pé. E damos colo de pé. Amamos de pé. Quando abraçamos.

É por isso que não entendo, senão como um medo que provoca calafrios, algumas pessoas quando se perguntam:

"Voltaremos a ser capazes de abraçar? Voltaremos ao que era?…"

Não! Não voltaremos! Depois das nossas dores, crescer não é voltar a um lugar onde fomos felizes. É procurar um outro onde podemos ser, ainda, mais felizes. A seguir!

Depois deste tempo mais ou menos "maluco", o melhor de nós vem com o futuro. E não, não deixámos de saber abraçar! Pelo contrário. Descobrimos, como nunca, que não passamos sem abraços! E que nada - mesmo, nada - os substitui.

Portanto, não se assustem. Nada voltará ao que era. Voltaremos melhores! E seremos, até, capazes de nos deixar das "porcariazinhas" pequeninas que faziam com que nos abespinhássemos de medo quando nos atrapalhávamos para dizer: "Preciso dos teus abraços…". Nós vivíamos num mundo em que as pessoas "abraçavam projectos". Mas onde não se abraçavam umas às outras. De todas as vezes que o coração, unicamente, com um pequeno gesto, as chamava só para um abraço.

Descobrimos - vejam bem - que o melhor de nós são as pessoas. E o melhor do melhor que elas nos podem dar chega com um abraço. Descansem: voltaremos a abraçar! Melhor! Melhor que nunca!! Porque - agora, sim - aprendemos que duas pessoas, quando se abraçam, fazem, cada uma da outra, "O seu" lugar.

subscreva