Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
Amar a olhar para trás
...

Porque será que, sempre que falta o amor, suspiramos pela nossa mãe?
Porque, depois dela, talvez tenham faltado outras relações em que nos tenhamos sentido amados.
Ora, eu acho que quando amamos a olhar para trás não falamos do amor. Falamos da saudade. E a saudade não é amiga de felicidade. É uma forma de dizermos, por mais que todas as outras experiências nos dêem argumentos para não duvidar do amor, que sempre que nos asseguramos que já fomos amados por alguém, então sim, ao contrário daquilo que nos dão a entender, talvez a "falta de jeito para o amor" não seja, unicamente, nossa. Mas, seja como for, amar a olhar para trás é uma forma um bocadinho batoteira de amar. Não que seja proibido procurar nas relações que já vivemos o sentido de um amor que, hoje, vivamos. Nem que o amor tenha de ser uma saudade do futuro. Não! Mas não trazendo com ele uma paixão pelo futuro, o amor talvez não seja bem... amor.

subscreva