Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
O amor não é fácil
Fomos todos mal educados para o amor

 Na verdade, fomos todos mal-educados para o amor.E iludidos, até. Porque o amor nunca é sempre cor-de-rosa! Mas, seja pelo que for, somos desmazelados - demasiado desmazelados - para com o amor. às vezes, vivemo-lo com gestos de Amo-te, mas não te desejo. Como se fosse possível ter-se intimidade sem se ser íntimo. às vezes, confundimo-lo, demais, com a sexualidade. Quase sempre, esperamos que ele nos procure. Ou que nos caia no colo, de forma acidental ou distraída. Mesmo quando mal o olhamos nos olhos. E nos colocamos diante do amor dum jeito pouco humilde, pouco amável, pouco amante e... preguiçoso.

Por mais que muitos amores pareçam, a quem os desconheça,mais ou menos improváveis, todo o amor, para ser amor, tem de ser... provável. Provável de ter em si o seu quê de alguma insegurança que ora o torna compreensível ora o faz contraditável. Provável de, em todos os momentos, ser preciso sentir-lhe o paladar. E provável de nos pôr à prova e de nos dar provas. Por mais que não pareça, todo o amor é uma prova. De vida!

O amor, para ser amor, precisa de gestos. Necessita de surpresas. Mas precisa, sobretudo, de palavras. Daí que esperar que alguém penetre do nevoeiro dos nossos silêncios para que, repetidamente, nos pergunte: "O que é que se passa"... talvez não seja amor. Mas um mal-entendido. E quando, já em desespero, nos lamuriamos que se perde no tempo a última vez que alguém muito nosso nos convidou para um jantar, e essa pessoa nos responde: "Que não seja por isso... Jantamos hoje, pois claro", aquilo que se passa talvez não seja amor mas um... peso. No "estômago".. E quando ousamos ser surpreendidos por um programa de fim-de-semana e a melhor surpresa que nos reservam será dizerem-nos: "Fim de semana a dois? Boa ideia!!! Marca tu...", aquilo que se passa não é amor, mas uma passividade sufocante. E quando esperamos que alguém que nos diga que nos ama e temos, como resposta: "Eu também...". Ou, mais simplesmente, "Tu sabes...", aquilo que se passa não é amor. É um escombro que nasce onde devia haver uma janela.

O amor nunca nos procura. Pode parecer que sim; eu sei. Mas não. Primeiro, vem tudo aquilo que se trabalha para o amor. Só depois, a paixão. E a seguir, claro, a ousadia de o desejar, a ânsia de lutar por ele e a capacidade de o saber esperar.

subscreva