Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
O mi do coração
E a mestria de afinar corações

Se fosse capaz, eu gostava era de ser afinador de corações. Como um afinador de pianos, claro. Mas para melhor! Desde que tivesse, como ele, a sagacidade de “apanhar” as mínimas notas fora do lugar. E, com a paciência de quem nunca se perde no meio do que está desafinado, ajustar o mi do coração, conseguir que a tensão entre os tons tenha os intervalos certos e os tempos precisos para que possam vibrar, respirar fundo, e, então sim, de forma harmoniosa - para que se soltem, ligados uns nos outros - escutar os sopros todos que há no coração. Sem que se atropelem uns nos outros. E sem, sequer, serem precisas as palavras.
Diabos me levem se o coração não é uma garagem! Daquelas onde se guardam o bem-querer e os desperdícios todos. Aliás, eu acho que é por isso que se pega numa relação da qual só ficaram cartas e lembranças, apertam-se umas coisas contra as outras, atulha-se tudo, dobra-se e ata-se, e guarda-se por lá. E, depois, junta-se mais um olhar que, há uma eternidade, devia estar no lixo, e deixa-se que ele descanse ao pé duma memória que guarda tudo o que de mais precioso há em nós. E, vai-se a ver, palavras, ásperas e bafientas convivem com gestos coloridos. E memórias que, em vez dormirem aconchegadas ao pé dos dós do coração - porque são uma mansarda com vistas para o que há de mais bonito - vivem, porta com porta, com tudo o que rasgámos, aos bocadinhos, e amachucámos e esquartejámos, até. Quase como se aquilo que mais se deseja fosse fugir de recordar. Que vive, de mãos dadas, com o que há de melhor em cada lembrar.
Se fosse capaz, eu gostava era de ser afinador de corações. Ir ao lixo que um coração sempre guarda, sem que se dê por isso. Pegar na tralha e nas traquitanas - que são um excesso de bagagem! - e assumir esses desperdícios como... lixo. E, já sem desafinados, escutar o mi do coração. E, com as notas no lugar, apanhar todos os seus sopros. E, então, sim, descobrir que, com tanto desperdício, é só pelo espaço que nos falta que parece que se deixa de amar.

subscreva