Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
Prometo amar-te!
Será uma promessa que se faça?

"Prometo amar-te" talvez não seja uma promessa que se faça. Porque nunca devemos prometer quando não temos a certeza que somos capazes de cumprir.

E não é tanto porque o coração tenha razões que a razão desconheça. Mas porque o amor é muito mais que uma intenção. Porque não depende nunca de todos os "vou fazer-te muito feliz" que repitamos, com boas intenções e com verdade. E, já agora, porque o amor não depende só de nós.

E não é tanto porque no coração não se mande. Na verdade, não mandamos nos nossos sentimentos porque eles representem formas pouco esclarecidas de pensar, que se esgueiram à mais inequívoca racionalidade (que mande neles). Não. Os sentimentos são a mais inequívoca racionalidade! São o "fim da linha" a que se chega sempre que repensamos e repensamos. E, de tanto pensar ("falando baixinho"), chegamos mais longe.

"Prometo amar-te" significaria que, independentemente do que temos de mais esclarecedor em nós, prometemos mandar no que sentirmos. Amar prometendo ser "burro". E, francamente, se isso já não é uma promessa que se faça, torna-se difícil que alguém nos ame depois de prometermos uma coisa dessas. Sobretudo quando uma promessa assente no compromisso de silenciarmos o melhor e o mais verdadeiro dos pensamentos que há em nós.

O amor não se promete! Mas - engraçado - talvez, mais que tudo o mais, o amor resulta numa promessa. "Se eu te der o melhor do melhor de mim - os meus sentimentos; todos os meus sentimentos; os bons e os maus; tudo o que me ponha a nu, diante de ti - eu sei que ou te amo ou tu serás (mais) um desgosto". "Dar-te o que me dês a sentir" pode-se prometer. E, verdade seja, sem isso nunca se ama. Se for assim, o amor é (no final) uma promessa. Não tanto um compromisso por onde se comece, na primeira pessoa, o que há de mais sagrado. Mas o resultado de duas pessoas que, não se prometendo uma à outra, prometem, mutuamente, a verdade. Sendo que o sagrado são duas verdades que se casam. Não duas pessoas que casam duas promessas que não conseguem cumprir.

subscreva