Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
Melhores pais com menos tempo
É possível?

Precisamos de tempo para crescermos. De tempo para nos conhecermos. De tempo para amarmos. E de tempo para aprendemos a ser pais. Tanto tempo quanto aquele que as crianças, elas próprias, precisam para aprenderem a ser crianças.

Seja como for, os pais saudáveis repartem-se por muitos compromissos familiares e profissionais, têm uma relação amorosa para gerir, os seus amigos, os seus interesses e os pequenos-nada que dão sentido aos seus dias. E isso é bom! Mas tudo lhes ocupa tempo, atenção e engenho. Será que a primeira prioridade dos pais deverá ser o trabalho, a segunda serão os filhos e, só depois, a família? Ou, pelo contrário, a primeira prioridade deverá ser a sua relação amorosa (porque pais mal-amados serão sempre piores pais), depois virão os filhos, a seguir, a família e os amigos e, só depois, o trabalho? Talvez esta última seja a solução correcta.
Os pais nunca têm todo o tempo que imaginam indispensável para serem bons pais. Mas não necessitam dele! As crianças não precisam de muito tempo de mãe e de pai, todos os dias, para que se sintam amadas. Feitas as contas, uma boa meia hora de mãe ou de pai, duas vezes ao dia, é “vitamina do crescimento” e torna-as saudáveis. Mas elas ganham se puderem brincar todos os dias. E, de preferência, que um bocadinho desse tempo se faça na companhia de um dos pais. E se o jantar se der em família, com algum tempo, sem televisão, sem tablets, sem brinquedos e sem que os pais se sintam, permanentemente, “chatos” a resmungar e a repreender. E se, a seguir ao jantar, existir um pouco de “sala-de-estar”, para que a conversa fique “em dia”, e para todos se sintam uns aos outros. E se - hoje com a mãe e amanhã com o pai - existirem 15 ou 20 minutos de “namoro”, de histórias ou da sensação saborosa de se ser “filho único” de um dos pais, no escurinho do quarto. E a ter direito a um deles, com o rigor duma entrada de agenda como as outras, a um lanche, um dia (certo) por semana. E a fins-de-semana. Sem outros compromissos que não seja a tempo livre para toda a família.
Pais apressados são crianças que passaram pela infância sem tempo para serem crianças. Que correm o risco de chegar um bocadinho atrasados à infância dos filhos. De tanto quererem que ela valha por duas.

subscreva