Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
Os filhos únicos
Nem sempre é fácil ser-se filho único

Não é verdade que os filhos únicos sejam "os meninos da mamã". Nem que, em alternativa, eles sejam os "meninos dos papás". Lá porque tenham "muita mãe" ou "muitos dos dois pais" só para eles, isso não os transforma em "meninos mimados". Nem em "ases do capricho". Mas, seja como for, estes "rótulos" em relação aos filhos únicos são tão comuns que, das duas, uma: ou têm uma ponta de verdade; ou representam uma "invejazinha" daqueles que não perdoam que os filhos únicos tenham (tudo) aquilo que os outros terão mais dificuldades de conseguir.

É verdade que os filhos únicos terão mais probabilidade de terem mais mimo. Mas têm sobre os seus ombros custos muito elevados! Mesmo que não dêem por isso, os pais ficam encantados quando um filho único escolhe uma profissão que não fuja muito da mãe ou da do pai. E como acabam por ser cuidados com mais atenção e mais delicadeza - e, por isso, terão uma sensibilidade mais educada - não deixam de ser os verdadeiros “barómetros do humor” dos pais. E, por causa isso, de se sentirem mais responsáveis pelo seu bem-estar. E é muitíssimo mais difícil, para eles, cada passo em direção à autonomia: saírem à noite ou irem de férias com um amigo. E se parecem menos desembaraçados a resolver problemas do dia a dia, isso não quer dizer que esperem que os pais lhos resolvam mas porque eles quase fazem questão de o fazer. E se nem sempre "vão à vida deles" mais facilmente, isso não é tanto porque não o desejem. Mas porque é mais insuportável, para eles, que os pais, por causa disso, fiquem mais tristes.

Não é fácil ser-se filho único! Os pais ainda não testaram todas as suas inseguranças num irmão mais velho. Baralham, como seria de esperar, os filhos que sonharam ter e os filhos que eles sentem que "podem" ser. E, nalguns momentos, não fica claro onde começa a vida deles e acaba a dos pais. Mas devíamos ter outras cautelas quando dizemos, (quase) como quem os desvaloriza, que eles são... "filhos únicos". É (só) injusto que isso seja um "defeito". É mais isso.

subscreva