Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
Quem me dera ser mosca!...
As mães e os seus desejos estranhos

Se há coisas que uma mãe não devia ter como expectativa de carreira é ser... mosca. Porque elas não são nem charmosas nem bonitas, não têm critérios de qualidade por aí além quando se trata de escolher onde pousam, e fazem um zurzir sem graça nenhuma. Mas, apesar disso, muitas mães insistem em dizer: "gostava de ser mosca". Mas mosca pode ser uma expectativa de carreira para uma mãe?

Ora, se as mães passam a vida a dizer que têm um dedo que adivinha, se ficam assanhadas quando alguém coloca em dúvida o seu instinto maternal e dão 10 a 0 às pilhas da Duracell quando se trata de mimar, porque é que, num dia mau (só pode ser...) querem ser moscas? Porque, no fundo, gostavam de estar em todo o lado, ao mesmo tempo. Para olharem pelos filhos e para evitarem, um a um, os seus falhanços. Mas, também, para se babarem de vaidade. Ora, que uma mãe seja um dois em um (se considerarmos o seu lado de formiguinha e de cigarra) todos entendem. Que se defina como mãe-galinha ainda se condescende. Agora, que se queira esticar e fazer de Deus já é batota. Porque - que Deus nos desculpe - tomara Ele (que faz de mosca o tempo todo) fazer de mãe, um ror de vezes!

 

 

*Texto em repositório com edição especial para a sua versão digital

subscreva