Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência no nosso website. Ao navegar neste website está a concordar com a nossa política de cookies.
Tu és a minha melhor mãe de sempre!
A partir de que altura deixamos de falar de amor?

Quarta-feira, de um mês qualquer. O meu rapaz virou-se para a mãe e disse-lhe: "Tu és a minha melhor mãe de sempre!". E foi aí que, por mais um dia, eu percebi que por trás (!) de uma grande mãe está sempre um grande pai... E, sem nunca questionar com mais alguém mais esta retumbante vitória moral, eu suspirei: quem terá encorajado este rapaz para a arte de contar histórias?

"Tu és a minha melhor mãe de sempre!"... O que é que ele quis dizer à mãe, ali mesmo, ao pé de mim? Hipótese número um: considerando todas as mães que eu já tive, tu és a melhor. E parei. De surpresa! Disse para mim: "Acalma-te!…". E sobrecarreguei cada silaba: "to-das-as-mães..." Bem me parecia... E, secretamente (muito secretamente...), fiz um sorrisinho cínico. Pudera, meu filho: quantas mães tiveste tu, até hoje? Diz-me?… Mas, depois, hipótese número dois (há sempre hipóteses que não nos deviam atropelar mas que são metidiças): a que mãe é que ele estaria, mesmo, a referir-se, ali, à minha frente: à mãe que lhe conta histórias? À mãe que ri como se o mundo fosse um pormenor quase sem jeito, quando os dois dizem patetices? À mãe que se comove com um "filmezeco" para crianças e que (que irritação!) me abala a mim? À mãe que se esganiça? Àquela que se levanta de noite (estremunhada) e que sorri, bondosa, como se nunca se cansasse? À outra, que o aconchega? Ou àquela que lhe dá a mão e o faz sentir que (ao pé de si) todos os degraus são pedrinhas pequeninas? Com tantas mães antes de mim, já não sei se por trás de uma grande mãe está (digamos assim) um... grande pai. Só não percebo porque é que, perdendo quase sempre, eu tenho um bom perder com aqueles dois...

O jardim da infância não é um lugar onde os nossos filhos aprendem com os amigos. São as histórias que eles nos dão. Assim! Sem um laçarote que as embrulhe.

A partir de que altura deixamos de falar de amor? A partir do momento em que parecemos incapazes de o transformar em pequenas histórias que se guardam. Para sempre.

subscreva